O Bloomsday e a nova Livraria Cultura

junho 18, 2007 at 10:39 am 4 comentários

Fui lembrado pelo “Biscoito Fino e a Massa” que sábado era 16 de junho, data em que se comemora o Bloomsday. Apesar de morar a apenas 3 quarteirões do Finnegan’s Pub – principal local das comemorações em São Paulo – acabei não indo. Achei que seria meio besta participar do evento sem ter lido Ulisses.

Pra garantir minha presença no evento do ano que vem, fui à nova loja da Livraria Cultura no Conjunto Nacional (cuja vontade de conhecer foi aguçada pelo Marmota). Minha primeira opção seria ler o texto em inglês; confesso que estava um tanto inseguro com a minha capacidade de entendimento do original, então  a idéia era dar uma folheada pelo livro e avaliar se essa realmente era uma boa escolha. O acervo de obras no idioma original da livraria é imenso, certamente o mais completo do país, mas infelizmente Ulisses não estava disponível.

Sem duas opções, fui buscar ao setor de literatura estrangeira procurar a tradução. Também não encontrei. Será possível que em pleno Bloomsday eu não conseguiria comprar o Ulisses? Pois não consegui.

Sabe o que é mais curioso? Agora, pela manhã, fui conferir no site da livraria, e lá estavam: tanto o original como as duas mais famosas traduções para o português (Antonio Houaiss e Bernardina da Silveira Pinheiro)  – e todos com entrega imediata. Detalhe importante: enquanto o original sai por 38 reais, as traduções saem por pelo menos 80 reais. Vai entender…

Entry filed under: Literatura. Tags: .

Pecuária Fabio Capello e a imprensa brasileira

4 Comentários Add your own

  • 1. Rodrigo Leme  |  junho 18, 2007 às 11:10 am

    A diferença no preço está no formato. O original da Penguin é paperback, com papel de qualidade mais baixa, etc. A tradução é mais bem acabada, ideal para quem quer ler e preservar por um bom tempo.

    Eu recorro aos pockets qdo quero ler um livro sem necessariamente preservá-lo. Semana passada fui nessa Cultura tbm e comprei o Freakonomics por R$22,00 na versão paperback, enquanto a tradução saía por quase R$50,00.

    E só para dar um toque pessoal ao comentário: te liguei na sexta, mas deu caixa postal. de qqer jeito, não ia rolar de dar uma passada, então me avisa qdo tiver uma próxima oportunidade da gente bater um rango no X Picanha.

    Responder
  • 2. Andrada  |  junho 18, 2007 às 11:33 am

    Eu sei que é mais barato porque é paperback, mas queria levantar uma polemicazinha. Todo mundo tem direito a seus momentos “Diogo Mainardi”.
    Podeixar que eu te aviso.

    Responder
  • 3. Rodrigo Leme  |  junho 18, 2007 às 1:22 pm

    O senhor é o Gugu dos blogs pessoais então?😛

    Responder
  • 4. André Kenji  |  junho 20, 2007 às 2:49 pm

    A versão paperback da Penguin é muito melhor acabada que muitos livros brasileiros, francamente.

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Feeds


%d blogueiros gostam disto: